adubação-foliar

Share

Adubação foliar: saiba como aplicar na sua lavoura

Quer saber mais sobre o MyFarm?

Entre em contato e agende uma demonstração com nossos consultores!

Solicitar Teste Grátis

Os nutrientes são importantes para todos os seres vivos, as plantas necessitam deles para a parte química, fisiológica, metabólica e estrutural.

Os nutrientes são divididos em duas categorias, os macronutrientes requeridos em maiores quantidades pelas plantas.

E os micronutrientes, que são tão importantes quanto os macronutrientes, porém as plantas necessitam de uma quantidade menor destes.

Na adubação foliar, todos os nutrientes podem ser fornecidos, mas você sabia que os principais são os micronutrientes?

A adubação foliar é uma prática que traz benefícios na produtividade, se realizada corretamente!

No texto abaixo, veja algumas informações a respeito da adubação foliar!

ads

A prática da adubação foliar

Aplicar nutrientes nas folhas das plantas, com a finalidade de fornecê-los quando a planta necessita é a definição de adubação foliar.

Esta prática de fornecimento de nutrientes é recente, se você comparar com a adubação via solo.

Ela começou a ser estudada no início do século 19, e com a evolução da tecnologia, como a marcação por fluorescência, foi possível aprimorar a técnica e ver seus resultados.

Os estudos mostraram que as folhas conseguem absorver os nutrientes aplicados via pulverização, transportá-los e utilizá-los metabolicamente.

Desse modo, para que os nutrientes entrem na planta ocorre dois tipos de absorção, a passiva e a ativa.

Com o contato da gota pulverizada contendo os nutrientes com a folha, ocorre o transporte passivo.

Os íons passam pela cutícula foliar, parede celular e espaços intracelulares até chegar no citoplasma.

Este transporte é denominado passivo, pois não há gasto de energia da planta, ele ocorre por difusão ou trocas iônicas.

Após o transporte passivo ocorre o ativo, que necessita de gasto energético da planta.

Ao chegar no citoplasma os íons podem ficar no vacúolo da célula ou serem encaminhados para os vasos condutores, que os distribuem por toda a planta.

Caminho percorrido pelo nutriente no interior da folha.
Fonte: Adaptado deUFPR

Quando fornecer os nutrientes via foliar?

A adubação foliar pode ser realizada com diferentes finalidades, mas vale lembrar que ela não substitui o fornecimento dos macronutrientes via solo.

Ela pode ser de cinco tipos:

Adubação foliar complementar

Esta adubação pode ser realizada quando o solo está com grande falta de determinado nutriente, e seu fornecimento é feito via solo e via foliar.

Pode ser realizada também devido a redução da adubação do nutriente via solo, sendo fornecido o restante via foliar no momento que a cultura mais necessitar.

Adubação foliar corretiva

Esta adubação é realizada quando há deficiência nutricional na planta.

Neste caso, antes de aplicar o nutriente via foliar, foi feito análise química das folhas e constatado a deficiência.

Desse modo, a aplicação é realizada para corrigir a falta de um ou mais nutrientes.

Esse tipo de adubação pode ser realizada em todas as culturas, porém são muito utilizadas em culturas perenes, devido ao maior tempo de ação nestas culturas.

Adubação foliar preventiva

Este tipo de adubação é bastante realizada pelos produtores, pois consiste na aplicação de nutrientes sem constatar a deficiência deste na planta.

Geralmente essa adubação é feita junto com pacote de vendas, onde junto com a aplicação de determinados defensivos é utilizado um ou mais nutrientes.

Por não saber se a planta necessitava do nutriente não tem como saber se houve resultados satisfatórios com esta aplicação.

Adubação foliar substitutiva

Como dito anteriormente a adubação via solo é fundamental para o desenvolvimento das culturas.

Entretanto, muitas vezes não é possível realizar a adubação com micronutrientes.

Desse modo, pode-se substituir a adubação via solo, ou tratamento de sementes feitos com estes micros, e fornecê-los via foliar no momento que a planta mais necessita.

Como a quantidade requerida pelas plantas de micronutrientes é menor, a estratégia de substituir a aplicação destes via solo é uma boa alternativa.

Adubação foliar no estádio reprodutivo

Esta adubação, como o nome diz, é feita quando a planta está na fase de produção dos grãos.

Realizada geralmente na fase em que as plantas estão alocando os nutrientes para encher os grãos.

Esta adubação é pouco realizada, pois tem como uma das finalidades enriquecer os grãos com algum nutriente, para que, ao semear esta semente, não haja a necessidade de aplicar este nutriente.

Exemplo é aplicar molibdênio nos estágios reprodutivos da planta para que o teor deste elemento nas sementes produzidas seja elevado.

Desse modo, ao semear as sementes enriquecidas com este micronutriente, não ocorre a necessidade de aplicá-lo no tratamento destas sementes ou via foliar nos estádios iniciais de desenvolvimento.

Esta aplicação também pode ser feita com objetivo de nutrir as folhas, mantendo-as ativas por mais tempo.

As folhas ativas por mais tempo, produzem mais fotoassimilados, que são encaminhados na formação e enchimento dos grãos.

Teor de molibdênio m sementes de soja cuja as plantas receberam doses deste micronutriente via foliar de molibdênio nos estádios reprodutivos
Fonte:Oliveira e colaboradores

Visto os tipos de adubações foliares que são realizadas, veja como realizar a diagnose foliar:

Para fazer a diagnose foliar corretamente, é necessário saber qual folha deverá ser amostrada, quantas folhas e quando deve ser realizada a coleta.

Na tabela abaixo veja a recomendação de amostragem foliar de algumas culturas.

Amostragem foliar para análise nutricional
Fonte:Esalq

Após realizar a coleta e encaminhar as amostras devidamente identificadas para o laboratório, você receberá um relatório da concentração dos nutrientes presentes nas folhas.

Devido aos estudos que foram desenvolvidas tabelas para culturas das faixas adequadas dos principais nutrientes.

Portanto, após estar com os resultados é necessário compará-los com este padrão e assim verificar se algum nutriente está abaixo do ideal.

>>> DOWNLOAD GRATUITO: PLANILHA PARA GESTÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS <<<

Cuidados a serem tomados ao fazer adubação foliar

Alguns fatores da planta, do clima e do produto, influenciam na eficiência da absorção e uso do nutriente aplicado via foliar.

Desse modo, você deve ficar atento em alguns pontos importantes.

Veja a seguir algumas recomendações de como realizar esta prática de modo eficiente.

Da planta

Os fatores relacionados às plantas devem-se principalmente ao estado que se encontra as folhas.

Como o produto é depositado na folha, se esta estiver desidratada, a absorção será menor, pois a folha, para evitar perder mais água, se torna impermeável.

Outro ponto é a cutícula da folha, se ela for mais espessa a absorção é menor, e isto ocorre em folhas mais velhas.

Folhas mais novas, além de apresentar cutícula mais fina, são metabolicamente mais ativas que as folhas velhas, absorvendo mais nutrientes.

Além da idade da folha influenciar na absorção, a parte inferior das folhas também absorve mais em comparação com a parte superior.

Portanto, ao realizar esta aplicação, tente atingir esta parte da folha!

Do clima

As plantas geralmente apresentam folhas desidratadas quando o solo não fica com pouca água disponível para as plantas.

Desse modo, a falta de chuva faz com que a folha fique menos túrgida, influenciando na absorção.

Outro fator ambiental que influencia na turgidez foliar é a umidade relativa do ar, pois a cutícula fica hidratada com alta umidade, favorecendo a absorção.

A temperatura ideal de aplicação da adubação foliar é entre 22ºC a 30ºC, os estômatos nesta faixa de temperatura estão abertos, facilitando a absorção.

Como você viu anteriormente a absorção de nutrientes é feita em duas fases: a passiva sem uso de energia e a ativa, que requer energia da planta para absorver o nutriente.

Assim, a presença da luz é fundamental, pois na fotossíntese há produção de ATP, que é a energia utilizada na fase ativa da absorção.

Do produto

A mobilidade do nutriente e o tempo de absorção são fatores importantes do produto, saber se o nutriente vai agir somente nos locais que foram absorvidos, ou se irá agir por toda a planta.

Tempo de absorção e mobilidade de alguns nutrientes via foliar
Fonte:UNESP

A solubilidade dos nutrientes é um fator da solução a ser pulverizada, há produtos que são pouco solúveis, assim sua mistura em água é ruim.

Com a utilização destes produtos pode ocorrer diferença da calda pulverizada, entupimento de bicos do pulverizador, entre outros problemas.

Há também a compatibilidade de produtos na aplicação. Se os produtos não forem compatíveis, além de ocorrer os prejuízos citados acima, a absorção de alguns nutrientes pode ser prejudicada.

Tempo de absorção e mobilidade de alguns nutrientes via foliar
Fonte:Yara

O pH da solução, assim como a contração do produto também interfere na absorção.

A calda aplicada interfere na absorção e elevadas concentrações do nutriente pode ocorrer fitotoxicidade nas folhas.

Pontos positivos e negativos desta prática

Como vantagens de realizar a adubação foliar:

A correção da deficiência de um determinado nutriente na época de maior necessidade para a planta.

Representação da necessidade de complementação nutricional via foliar.
Fonte:UNESP

Com isso, o nutriente é melhor aproveitado, sendo corrigida a deficiência em curto prazo.

A aplicação via foliar do nutriente pode ser realizada com utilização no tanque de pulverização com alguns produtos.

Como, em geral, os principais nutrientes aplicados são micronutrientes, suas demandas são menores, e seu aproveitamento é melhor do que quando fornecidos via solo.

Como desvantagens tem-se:

Como a aplicação e o aproveitamento do nutriente é rápido, não há grande efeito residual do produto.

A época de aplicação deve ser no momento correto, se demorar para realizar a aplicação já pode ter ocorrido perda do potencial produtivo, não ocorrendo o aproveitamento ideal do nutriente.

A incompatibilidade de alguns produtos é uma desvantagem, como você viu, se não saber a compatibilidade de produtos, pode ocorrer perda do produto e problema na aplicação.

Além disso, caso não possa realizar a adubação foliar junto com a aplicação de algum defensivo, aumenta o custo de produção.

Conclusão

A adubação foliar é uma prática benéfica para as culturas, podendo ajudar na produtividade das lavouras.

Sua eficiência depende do conhecimento da cultura e do produto a ser utilizado.

É importante saber como o nutriente funciona na planta e se sua aplicação é melhor via solo ou foliar, com isso você tem uma decisão mais assertiva.

Fique atento nos fatores que influenciam na adubação foliar, eles são fundamentais para bons resultados!

Espero que este artigo tenha fornecido informações úteis para você. Quer saber mais sobre aplicação de nutrientes via foliar? Leia nosso artigo sobre fertirrigação clicando aqui!

Até mais!


Publicado por:
Engenheira Agrônoma pela Universidade Estadual de São Paulo (UNESP),mestre em Sistemas de Produção pela pela mesma instituição. Doutora em Fitotecnia pela Universidade de São Paulo (ESALQ/USP).
Share

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *