Plantação de feijão: conheça as melhores práticas

Share

Plantação de feijão: conheça as melhores práticas

Quer saber mais sobre o MyFarm?

Entre em contato e agende uma demonstração com nossos consultores!

Solicitar Teste Grátis

O feijão é considerado um dos alimentos mais consumidos na dieta do brasileiro. Isso porque, além de ser rico em proteína, possui carboidratos, vitaminas, minerais, fibras e compostos com ação antioxidante.

Diante disso, podemos afirmar que ele é setor rentável para agricultores que querem obter lucro com esse tipo de cultura.

No entanto, para obter alta produtividade na lavoura é necessário se planejar. Para isso, é preciso considerar alguns fatores essenciais no momento da implantação dessa cultura.

Continue a leitura e conheça a principais práticas utilizadas na plantação de feijão.

Veja a seguir!

Qual melhor época para plantio de feijão?

De modo geral, podemos afirmar que a melhor época de plantio para o feijão é determinada por suas exigências climáticas. No entanto, por ser uma cultura de ciclo curto (cerca de 90 dias),o feijão pode ser cultivado por até quatro safras em um ano.

Sendo assim, a mais indicada é aquela que possui maior probabilidade de oferecer boa produtividade, isto é, a que melhor atende às exigências da cultura.

Veja as épocas de semeaduras recomendas para diferentes regiões do Brasil!

épocas de plantio de feijão no Brasil
Fonte: Proedu

>>> DOWNLOAD GRATUITO: PLANILHA PARA GESTÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS <<<

Quais os fatores você deve considerar antes de realizar sua plantação de feijão?

Em primeiro lugar, é preciso considerar que fatores como temperatura, água, luz e o solo podem afetar os resultados da cultura de feijão.

Em síntese, a plantação de feijão é exigente em relação as condições edafoclimáticas. Confira a seguir:

Temperatura

A cultura de feijão é sensível a altas e baixas temperaturas, sendo que a ideal fica entre 18 e 24°C e a temperatura ideal 21°C. Isso porque médias acima de 30°C e abaixo de 12°C podem causar abortamento de flores, vagens e grãos.

Além disso, na fase de germinação, as temperaturas baixas podem atrasar a emergência e prejudicar o desenvolvimento das plantas.

Radiação solar

O recomendado é manejar a cultura para que as plantas consigam interceptar a maior quantidade de radiação solar possível, especialmente antes do florescimento, a fim de que seja acumulada uma quantidade adequada de biomassa.

Precipitação pluvial

A cultura do feijoeiro submetida a estresse hídrico (falta de água) apresenta redução na área foliar. Essa falta de água no período de floração pode diminuir a estatura da planta, o número e o tamanho das vagens, bem como o número de grãos por vagem, afetando muito o rendimento da cultura.

No entanto, o uso de irrigação pode minimizar o estresse hídrico, embora não seja uma tecnologia acessível a todos os produtores. Por outro lado, o excesso de chuvas também pode causar prejuízos à cultura, principalmente na época da colheita, impedindo que o feijão seja colhido, o que aumenta a probabilidade de brotação e o surgimento de manchas nos grãos.

De modo geral, a cultura do feijão alcança bons resultados quando as precipitações situam-se entre 300 e 400 mm, bem distribuídos durante o ciclo da cultura.

Solo

Em resumo, o feijão pode ser cultivado tanto em várzeas quanto em terras altas, desde que em locais com solos soltos, friáveis e não sujeitos a encharcamento.

Para isso, as várzeas e baixadas úmidas devem ser utilizadas nos períodos menos chuvosos, a fim de aproveitar sua topografia e capacidade de armazenamento de água, uma vez que os solos encharcados não são suportados pelo feijoeiro e prejudicam a germinação, limitando o desenvolvimento das raízes e favorecendo a ocorrência de doenças.

Como preparar o solo para a plantação de feijão?

Por ser uma espécie com o ciclo curto, a cultura de feijão pode ser cultivada em diferentes épocas. Este fato proporciona o cultivo de mais de uma safra por ano, na mesma área, principalmente na agricultura irrigada.

Diante disso, o solo é intensivamente utilizado, o que consiste em maior risco de degradação, quando comparado com o cultivo de sequeiro (cultivo sem utilização de irrigação – época chuvosa) de outras culturas com apenas um cultivo anual.

Sendo assim, é importante ter muita atenção em relação ao preparo do solo para o cultivo de feijão. Ele pode ser semeado por sistema convencional ou no sistema de plantio direto.

Vale ressaltar que no sistema convencional de semeadura, a aração e a gradagem devem ser realizadas seguindo as práticas de manejo e conservação do solo, isto é, de acordo com as condições de topografia do terreno e as propriedades físicas do solo.

Entretanto, devido o risco de degradação, por conta do uso intenso do solo, os produtores têm optado pelo sistema de plantio direto, devido a seus efeitos benéficos sobre os atributos físicos, químicos e biológicos do solo.

Contudo, no plantio direto, a semente e o adubo são colocados em um solo não trabalhado por meio deimplementos agrícolas, com a substituição do controle mecânico e manual de plantas daninhas pelo controle químico. Assim, o revolvimento do solo ocorre apenas no sulco de semeadura.

Qual o espaçamento, densidade e profundidade do plantio de feijão?

Para obter sucesso nos resultados da cultura de feijão, é importante saber o espaçamento, densidade e profundidade devem ser utilizados no momento do plantio.

Espaço e densidade de plantio

No geral, o espaçamento recomendado é de 40 a 50 cm entre linhas de plantio e densidade de 10 a 15 sementes por metro. Dessa forma, ao utilizar essa prática, espera-se obter uma população entre 200 e 375 mil plantas por hectare.

Em alguns casos, como em áreas infestadas com mofo-branco, doença que tem causado grandes prejuízos aos produtores, tem-se utilizado espaçamentos maiores. Nesse caso, o indicado é utilizar espaçamento entre linhas de plantio de 50 a 60 cm e menor densidade de plantio. O objetivo é promover maior circulação de ar entre as plantas e auxiliar no controle da doença.

Profundidade

Na prática, em solos argilosos ou úmidos, recomenda-se realizar a semeadura com 3 a 4 cm de profundidade e em solos arenosos, com 5 a 6 cm. Isso porque a semeadura em maior profundidade contribui para o atraso da emergência das plântulas, além de deixá-las mais expostas ao ataque de doenças e causar danos aos cotilédones.

Já em relação ao adubo, este deve ser distribuído ao lado ou abaixo das sementes (3 – 5 cm) para prevenir danos às plântulas e consequente redução no estande (população de plantas).

Como é realizada a colheita e armazenamento?

A colheita pode ser manual, semimecanizado e mecanizado. Sendo que, no sistema manual, todas as operações da colheita, como o arranquio, o recolhimento, a trilha, a abanação (separação dos grãos misturados à palha) e a limpeza (separação de pedras e torrões) são realizadas manualmente.

Esse sistema realiza o arranquio das plantas inteiras, a partir da maturação fisiológica, fase caracterizada pelas folhas amarelas, vagens completamente cheias, vagens mais velhas secas e grãos com a coloração definitiva.

Dessa forma, as plantas arrancadas permanecem no campo, dispostas em molhos, com as raízes para cim. Isso tudo para completar o processo de secagem, até que os grãos atinjam teor de umidade próximo a 16%.

Logo após, as plantas são dispostas em terreiros, em camadas de 30 a 50 cm, onde se processa a batedura com varas flexíveis ou com rodas de trator.

Por fim, realizam-se a abanação e a limpeza dos grãos (beneficiamento).

Semimecanizado e mecanizado

Semimecanizado: algumas das etapas são realizadas mecanicamente. Geralmente, as plantas são arrancadas e enleiradas (dispostas em leiras) manualmente, e a trilha é realizada com o auxílio de uma máquina.

Mecanizado: todas as operações são realizadas com máquinas. Nesse caso, a colheita pode ser realizada por dois processos (direto e indireto). Sendo que, no direto, são empregadas colhedoras automotrizes, que realizam simultaneamente o corte, o recolhimento, a trilha, a abanação e, em determinadas situações, o ensacamento dos grãos. Já no indireto é utilizada a ceifadora-enleiradora (que corta e enleira as plantas no campo) e a recolhedora-trilhadora (que recolhe e trilha),em operações distintas.

Armazenamento

Em geral, o feijão pode ser armazenado a granel, em sacaria e em silosespecialmente construídos para esse fim. Nos casos em que o armazenamento destina-se a curtos períodos, o teor de umidade deve ser de 15% para garantir a boa qualidade do produto. Entretanto, caso haja necessidade de estocagem mais prolongada, recomenda-se reduzir a umidade para 12%.

Como funciona o ciclo de desenvolvimento do feijão?

O ciclo de desenvolvimento da cultura de feijão é dividida na fase vegetativa e reprodutiva.

Vegetativa

Germinação: semente em condições favoráveis de germinar.

Emergência: cotilédones de 50% das plantas aparecem ao nível do solo.

Folhas primárias: folhas primárias de 50% das plantas estão totalmente abertas.

Primeira trifoliolada: primeira trifoliolada de 50% das plantas estão totalmente abertas.

Terceira trifoliolada: terceira trifoliolada de 50% das plantas estão totalmente abertas.

Reprodutiva

Pré-floração: aparecem os primeiros botões ou racemos em 50% das plantas.

Floração: abre-se a primeira flor em 50% das plantas.

Formação de vagens: aparece pelo menos uma vagem em 50% das plantas.

Enchimento de vagens: formação de sementes na primeira vagem em 50% das plantas.

Maturação: mudança de cor, em pelo menos, uma vagem em 50% das plantas.

Enfim, conseguiu tirar suas dúvidas sobre o plantio de feijão? Aproveite e leia nosso artigo sobre plantação de soja.

Até a próxima!


Publicado por:
Somos o software de gestão agrícola que vai revolucionar a forma como você administra a sua fazenda.
Share

Uma comentário para

    Leave a Reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *