Reforma tributária no agronegócio

Share

Reforma tributária: entenda as 3 principais mudanças para o agronegócio

Quer saber mais sobre o MyFarm?

Entre em contato e agende uma demonstração com nossos consultores!

Solicitar Teste Grátis

A reforma tributária tem sido um tema amplamente discutido no Brasil, visando a simplificação e a modernização do sistema de impostos do país. No setor do agronegócio, um dos pilares da economia nacional, essas mudanças são especialmente relevantes.

Por isso, vou te contar as três principais alterações propostas pela reforma tributária e seu impacto direto no agronegócio brasileiro. Compreender essas mudanças é fundamental para os produtores rurais e demais agentes desse setor estratégico, permitindo uma visão mais clara dos desafios e oportunidades que estão por vir.

Vamos lá!

O que muda para o agronegócio com a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19

A aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19, que trata da reforma tributária, traz importantes mudanças para o agronegócio brasileiro. Essa PEC propõe a substituição de cinco tributos atuais (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS) por um único imposto sobre o valor agregado, chamado de Imposto sobre Bens e Serviços (IBS).

Com a implementação dessa proposta, as principais alterações para o agronegócio seriam as seguintes:

Simplificação do sistema tributário

A unificação dos impostos mencionados em um único IBS simplificaria significativamente o sistema tributário para o setor agrícola. Isso reduziria a burocracia e os custos relacionados à conformidade fiscal, proporcionando mais agilidade e eficiência no cumprimento das obrigações tributárias.

ads

Neutralidade tributária

A PEC 45/19 busca estabelecer um sistema tributário mais equilibrado e neutro, eliminando distorções e tratando de forma igualitária diferentes setores econômicos. No caso do agronegócio, isso poderia significar uma redução de carga tributária sobre determinadas atividades, estimulando o investimento e a produção no setor.

Impacto sobre as exportações

A reforma tributária também teria implicações nas exportações do agronegócio. Com a unificação dos impostos, as operações de exportação poderiam se tornar mais simples e menos onerosas, favorecendo a competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional.

É importante ressaltar que a aprovação da PEC 45/19 ainda está em discussão no Congresso Nacional e pode sofrer alterações ao longo do processo legislativo. Portanto, é fundamental acompanhar de perto as atualizações e os desdobramentos dessa proposta.

Como será a criação da cesta básica nacional de alimentos citada na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19

A criação da cesta básica nacional de alimentos é uma das propostas contidas na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19, que trata da reforma tributária. Essa medida visa estabelecer um conjunto de produtos alimentícios essenciais com alíquota zero de impostos, buscando garantir o acesso a alimentos básicos a preços mais acessíveis para a população.

A ideia por trás da cesta básica nacional é simplificar a tributação sobre os alimentos, eliminando a incidência de impostos que atualmente recaem sobre eles, como o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Com a alíquota zero, os produtos que compõem a cesta básica passariam a ser isentos de tais tributos.

Essa medida tem como objetivo principal beneficiar a população de baixa renda, que destina uma parcela significativa de seus recursos para a compra de alimentos básicos. Ao eliminar ou reduzir a carga tributária sobre esses produtos, a intenção é reduzir os preços de venda ao consumidor final, tornando a alimentação mais acessível.

A criação da cesta básica nacional de alimentos também busca conferir maior uniformidade nas regras tributárias em relação aos alimentos, uma vez que atualmente as alíquotas podem variar de um estado para outro. Essa uniformização poderia simplificar o cumprimento das obrigações fiscais por parte dos produtores e comerciantes de alimentos, além de facilitar o controle e a fiscalização por parte das autoridades.

E não é somente isso que essa proposta traz de novo. Temos também a criação de um novo imposto, o Imposto sobre Valor Adicionado. Vamos conhecer mais sobre ele?

>>> DOWNLOAD GRATUITO: PLANILHA PARA GESTÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS <<<

O que é o novo Imposto sobre Valor Adicionado (IVA)

O novo Imposto sobre Valor Adicionado (IVA) é um imposto proposto como parte da reforma tributária em diversos países, incluindo o Brasil. Ele é projetado para substituir vários impostos existentes, como o PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS, e unificá-los em um único imposto sobre o valor agregado.

O IVA é um imposto indireto, ou seja, é aplicado sobre o consumo de bens e serviços. Ele é calculado com base no valor adicionado a cada etapa da cadeia de produção e distribuição de um produto ou serviço, desde a matéria-prima até o produto final. Em cada etapa, a empresa paga o imposto sobre o valor adicionado e pode deduzir o imposto pago nas etapas anteriores.

Uma das principais características do IVA é a sua aplicação em todo o ciclo de produção e distribuição, o que permite que o imposto seja repassado ao consumidor final de forma transparente. Dessa forma, ele é considerado um imposto de natureza não cumulativa, uma vez que o valor pago em cada etapa é compensado nas etapas subsequentes, até chegar ao consumidor final.

O IVA é amplamente utilizado em diversos países ao redor do mundo, sendo considerado um modelo eficiente de imposto sobre o consumo. A sua implementação busca simplificar o sistema tributário, reduzir a carga burocrática para as empresas e aumentar a transparência e a eficiência na arrecadação de impostos.

No caso do Brasil, a proposta de implementação do IVA faz parte da reforma tributária em discussão no Congresso Nacional. A intenção é substituir os atuais impostos indiretos por um único imposto sobre o valor agregado, simplificando o sistema tributário e contribuindo para uma maior competitividade e desenvolvimento econômico.

O IVA faz parte das 3 novas alíquotas criadas pela PEC, vamos conversar sobre as outras?

Entenda as 3 novas alíquotas criadas pela Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19, que trata da reforma tributária, propõe a criação de três novas alíquotas em relação ao Imposto sobre Valor Adicionado (IVA). Essas alíquotas são:

Alíquota única do IVA

A proposta prevê a implementação de uma alíquota única do IVA para a maioria dos bens e serviços. Isso significa que a maioria dos produtos e serviços estaria sujeita a uma única taxa de imposto sobre o valor agregado. Essa alíquota seria aplicada de forma igualitária a todos os contribuintes, independentemente do setor ou da natureza do bem ou serviço.

Alíquota com desconto de 60% do IVA

A PEC também prevê a criação de uma alíquota com desconto de 60% do IVA. Essa alíquota diferenciada seria aplicada a determinados bens e serviços, proporcionando um desconto de 60% em relação à alíquota única. Essa medida visa beneficiar setores específicos da economia, reduzindo a carga tributária sobre esses produtos ou serviços e estimulando o seu desenvolvimento.

Alíquota zero para produtor rural pessoa física, medicamentos e Prouni

A proposta contempla a isenção do IVA, ou seja, uma alíquota zero, para algumas categorias específicas. Entre elas estão o produtor rural pessoa física, os medicamentos e o Programa Universidade para Todos (Prouni). Essa medida tem como objetivo reduzir ou eliminar a tributação sobre esses itens, tornando-os mais acessíveis e promovendo benefícios diretos para os produtores rurais, para a saúde pública e para a educação.

Essas novas alíquotas propostas buscam trazer maior simplificação e equidade ao sistema tributário, ao mesmo tempo em que consideram as particularidades de setores específicos da economia e promovem incentivos para o desenvolvimento e o bem-estar social.

Conclusão

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 45/19 traz importantes mudanças para o sistema tributário brasileiro, especialmente no que diz respeito ao agronegócio e à criação do novo Imposto sobre Valor Adicionado (IVA).

As três principais alíquotas propostas, a alíquota única do IVA, a alíquota com desconto de 60% e a alíquota zero para casos específicos, buscam simplificar o sistema, promover equidade e estimular setores-chave da economia.

No entanto, é fundamental acompanhar o desdobramento da reforma tributária e suas consequências para compreender plenamente o impacto nas diferentes áreas e segmentos da sociedade brasileira.

O que você acha da nova reforma tributária?


Publicado por:
Somos o software de gestão agrícola que vai revolucionar a forma como você administra a sua fazenda.
Share

Quais os danos do Dicamba na soja?