Cultura perene e cultura de ciclo longo: como garantir a produtividade

Share

Cultura perene e cultura de ciclo longo: boas práticas para manter a produtividade

Quer saber mais sobre o MyFarm?

Entre em contato e agende uma demonstração com nossos consultores!

Solicitar Teste Grátis

O nome já diz, cultura perene ou cultura de ciclo longo se referem à plantações permanentes que duram vários anos. Em outras palavras, consistem em culturas que não morrem após a colheita, ou seja, não precisam ser replantadas.

No Brasil, as culturas que se enquadram nessa modalidade são: café, laranja, limão, maçã, manga, goiaba, mamão, banana, gramíneas forrageiras ou leguminosas, entre outras.

Para entender quais fatores influenciam no desenvolvimento dessas plantas e o que é preciso fazer para garantir e manutenção da produtividade, confira o conteúdo abaixo!

Para começar, entenda…

O que é cultura perene ou cultura de ciclo longo?

Na agricultura, o termo perene se refere a algo permanente que dura vários anos. Sendo assim, a cultura perene consiste em plantas que possuem o ciclo longo, isto é, que não precisam ser replantadas após o término de um ciclo produtivo.

Em síntese, a cultura perene e a cultura de ciclo longo possuem o mesmo significado, em razão do longo período de tempo transcorrido desde a plantação até a renovação da lavoura.

No Brasil, essas culturas são caracterizadas por frutos consumidos in natura ou destinados para indústrias onde servem de matéria-prima para fabricação de diversos alimentos e produtos. Alguns exemplos são: laranja, limão, café, banana, uva, maçã, pera, gramíneas forrageiras, manga, goiaba, mamão, leguminosas, entre outras.

pomar-de-maca-cultura-perene

Boas práticas e cuidados necessários para manter a produtividade das culturas perenes

Na prática, as culturas perenes e de ciclo longos não necessitam de replantio depois da colheita. Em função disso, elas demandam um investimento inicial com a preparação do solo, materiais para abertura de cova, mão de obra, mudas e insumos.

Logo após, para garantir o desenvolvimento de novos frutos e o crescimento saudável das plantas, é necessário realizar tratos culturais periódicos ou anuais.

Confira a seguir as principais práticas adotadas para manter a produtividade de uma cultura perene e de ciclo longo:

Correção do solo

De modo geral, a correção do solo é um fator fundamental para manter a produtividade das culturas. Essa correção está ligada aos níveis de acidez do solo. Nesse sentido, solos com baixos teores de magnésio e cálcio, proporção tóxica de alumínio e manganês podem afetar o desenvolvimento das plantas e consequentemente a produtividade.

Uma das técnicas utilizadas para corrigir essa acidez é a calagem, visto que, ela é capaz de:

  • Corrigir a acidez do solo;
  • Melhorar o ambiente radicular;
  • Elevar a disponibilidade do fósforo;
  • Reduzir a perda de bases por lixiviação;
  • Fornecer magnésio e cálcio às plantas;
  • Melhorar as propriedades biológicas e físicas do solo.

Vale destacar que a calagem deve ser feita com base em análises de solo, realizadas a partir de amostras coletadas, em geral, de camadas de 20 a 40 centímetros de profundidade para culturas de ciclo longo.

Assim, baseado nos resultados das análises, o técnico vai identificar o nível de acidez a fim de indicar a quantidade de produto necessária para fornecer cálcio e magnésio ou neutralizar a acidez do solo.

>>> DOWNLOAD GRATUITO: PLANILHA PARA GESTÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS <<<

Rotação de culturas

Na prática, a rotação de culturas consiste basicamente em alternar, de maneira ordenada, diferentes espécies vegetais em determinado espaço de tempo, na mesma área e na mesma estação do ano.

Ao escolher quais culturas devem estar inseridas nessa rotação é necessário considerar as espécies que tenham sistemas radiculares diferentes. Desse modo, é possível explorar várias camadas de solo, adicionando matéria orgânica em diversas profundidades.

Essa técnica favorece o aumento da produtividade agrícola ao mesmo tempo que ajuda a manter a fertilidade do solo. Além disso, impacta diretamente na conservação da superfície, que fica coberta contra impactos das gotas de chuva.

Irrigação

Outro fator primordial para o bom desenvolvimento da cultura perene é a irrigação, que precisa ser realizada de forma e na quantidade adequada para gerar resultados positivos na produção da lavoura.

Assim sendo, em situações onde o solo, variedade de plantas e manejo são semelhantes, a irrigação localizada é a opção mais indicada. Em alguns casos, esse método pode gerar uma produtividade até duas vezes maior do que a obtida com a irrigação por superfície.

Nesse caso, essa diferença está associada ao fato de que, em regra, na irrigação por superfície, há baixa frequência de reposição hídrica. Por isso, a prática pode provocar uma superdosagem de água no tempo de reposição e carência hídrica por acréscimo do turno de rega.

Vale lembrar que como as despesas com energia e água estão mais presentes na irrigação por superfície, normalmente, o agricultor opta por irrigar em abundância apenas uma vez por semana. Com isso, a planta tem alta oferta de água em um dia e muito pouco nos demais e consequentemente essa variação pode afetar a produtividade.

Quais são benefícios do cultivo da cultura perene?

Primeiramente, culturas perenes possuem vantagens em relação à manutenção e cultivo. Isso acontece porque geralmente elas apresentam melhores resultados de produção visto que são mais resistentes e conseguem se desenvolver mesmo em ambientes pouco favoráveis.

Essa resistência está associada a forte estrutura das suas raízes, que são profundas e firmes, o que contribui para absorção de nutrientes em maior volume de solo.

Somado a isso, o cultivo de plantas perenes oferece benefícios relacionados aos tratos culturais e custos de produção. Veja!

Tratos culturais

Em geral, as plantas perenes possuem tratos culturais reduzidos em relação à utilização de fertilizantes, maquinário e pesticidas, visto que após ser instalada ela se torna capaz de produzir frutos e se manter viva e produtiva durante anos, variando de acordo com a cultura e espécie.

Ademais, seu sistema radicular profundo possibilita uma melhor absorção da água da chuva e oferece grandes benefícios à natureza por conseguir retirar quase 50% a mais de carbono da atmosfera do que as culturas anuais.

Custos de Produção

Na cultura perene, os custos de produção são avaliados e conduzidos de modo diferente das demais culturas, visto que é necessário considerar os custos de manutenção no decorrer dos anos e sua retribuição de acordo com o início da fase reprodutiva da plantação, que pode variar de três a dez anos, dependendo da cultura.

Nesse caso, o retorno sobre o capital investido normalmente inicia-se no decorrer dos dois ou três primeiros anos, variando conforme a variedade do cultivar escolhido. Sendo que, a cultura pode ser precoce, meia-estação e tardia.

Dessa forma, os benefícios econômicos serão aferidos durante as vendas, ao longo do tempo da atividade e do seu retorno.

Como planejar o plantio de uma cultura perene?

Para dar início ao planejamento e viabilidade da atividade de instalação de qualquer cultura perene, é preciso considerar alguns fatores importantes como o uso de insumos, práticas agrícolas, investimentos, dentre outros.

Sendo assim, o produtor rural deve se atentar a responder diversas questões como:

  • Qual é a minha estimativa de produção e necessidades físicas de insumos?
  • Quais são os valores de receitas, despesas e investimentos?
  • Qual deve ser a minha receita mensal ou anual para obter meu payback em três ou quatro anos, quando a minha cultura começar a produzir?
  • Existe alguma prática para ajudar antecipar a produção de frutos? Quais consequências isso traria para a vida útil do meu pomar?

Gostou desse artigo? Então, aproveite nosso artigo sobre planejamento rural.


Publicado por:
Somos o software de gestão agrícola que vai revolucionar a forma como você administra a sua fazenda.
Share

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *